Sobre recompensa


“A felicidade é uma recompensa para quem não a procura.” (Anton Tchekhov)

Por que se pensa em recompensa? Por que a Lei da atração atrai inúmeros adeptos que creem que pensamentos positivos atraem as forças do Universo a favor? Seria a Lei da semeadura, aquela que diz que todo mundo colhe o que planta, uma verdade incontestável? Esse tipo de crença é fato absoluto… indubitável? Relativo! Não dá para fazer de experiências que não são absolutas, regra! Existem exceções! Nada mais frustrante para os seres humanos do que acreditar que a vida é tão simplista como tentam explicar. Dizem: “façam o bem e serão recompensados”. Nem sempre! Argumentam: “ele recebeu o mal porque mereceu… é o preço pago pela sua maldade”. E as crianças que enfrentam o câncer, a dor, a rejeição, a fome? Mereceram? Recompensa por suas vidas “pecaminosas”? Claro que não!

Nada mais frustrante para o ser humano saber que a vida é tão complexa que não se pode formular uma regra para poder explicá-la. Quem entende os mistérios da vida? Quem pode saber os caminhos inóspitos que nos esperam? Não dá para negar que certas sementes que se plantam, se colhem. Mas daí a experiência de alguns virar uma Lei ou uma regra, já é um erro. Recompensas existem, são frutos do esforço, da diligência, da perseverança, da dedicação, do amor, etc. Mas temos que viver com a possibilidade de que nem sempre somos recompensados. Isso dói, mas é verdade! Inventaram o carma para aliviar o fardo, amenizar a dor… doses homeopáticas de crença em um carma para sanar o sofrimento. Ou seria o carma uma maneira de alienação… de conformismo? Seria uma maneira de nos fazer resignar e não encarar de frente o problema? Aceitar a dor como a recompensa por um erro de uma “vida passada” que nem me lembro? A Lei do carma, da recompensa, da atração, da semeadura, leis que querem impor uma ordem de coisas que não se sustentam na experiência de vida de cada um.

E se um dia descobríssemos que a vida as vezes faz sentido e as vezes… não? Não dá para entender! Aconteceu porque tinha que acontecer! Dizemos: “logo comigo”? Não seria arrogância achar que a desgraça não pode chegar a mim, mas só ao outro? Não estaria eu me achando um ser especial, protegido pelo Universo, o único abençoado por Deus que não merece ser recompensado com a dor? Quanta mentira a religião tem criado para que o fiel esteja subserviente a “vontade de Deus” e aceite os males da vida como fruto de seus pecados? Sim, eu creio em um recompensador justo e creio que só Ele pode galardoar a cada um na medida certa! Mas isso faz parte de minha Fé e não tem relação com as experiências humanas, relativas que são. Mesmo em minha Fé, existe uma pergunta que deveríamos fazer: E se não existir recompensa alguma? Se um dia descobríssemos que tudo é uma falácia, uma mentira bem construída, uma história mal contada? Continuaríamos sendo quem somos, agindo como agimos ou o fato de não existir uma recompensa não nos dá mais o direito de “fazer o bem”? Quais são as nossas motivações? O céu, as riquezas, o sucesso, o fim que nos parece essencial ou um coração limpo e uma consciência pura que saiba que ainda que não haja recompensa, serei quem sou?

Anderson Luiz

Obrigado pela opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s