A marca


“A massa mantém a marca, a marca mantém a mídia e a mídia controla a massa. (George Orwell)

A marca se manifesta nas pichações das grandes cidades. Cada uma delas é um sinal de um grito rebelde abafado e o registro de alguém que se sente a margem da sociedade e com sua marca (picho) quer gritar que existe.

A marca vende mais do que o conteúdo, e se o conteúdo é ruim, a marca garante a venda. O que vale mais é o símbolo, o nome de conhecimento mundial e popular, anulando-se o gosto pessoal de cada indivíduo.

A marca é um meio usado pela propaganda e marketing para marcarem os indivíduos para sempre em uma ilusão de pertencerem a um “seleto grupo”, o grupo dos “privilegiados” que detém a marca.

A marca se revela no corpo através das tatuagens e piercings que são as expressões dos gostos e preferências das pessoas.

A marca do preconceito étnico estigmatiza povos, crucifica pessoas pela sua cor e simboliza exclusão e o horror humano, como a estrela de Davi que marcava os judeus no holocausto.

A marca se reconhece nos sinais das mãos ao se “benzer” com uma cruz, ao reconhecer “irmãos” que fazem parte de sociedades secretas e ao maldizer e xingar com os dedos o objeto do ódio.

A marca revela pegadas, desvenda crimes bárbaros e deixa cicatrizes no corpo e na alma.

A marca da morte é a nossa natureza pecaminosa, nosso desejo de sangue, nossa ira contra tudo aquilo que nem entendemos direito por conta de nossa ignorância. O pecado sempre deixa marcas!

A marca da Besta é um número do seu nome, essa numerologia besta que nos transforma em meros números. Números de identidade, CPF, conta de banco, senha, peso, altura, cintura, censo… somos números para políticos e “poderosos” deste mundo, tão somente números e nada mais.

A marca de um besta é a irracionalidade, é o ódio cego àquilo que nem entende, é o discurso repetitivo e robótico assimilado da mídia que se transforma em realidade na boca desse gado humano.

A marca é um código que se compra e que se vende capaz de deixar de fora do consumo um dia desses aqueles que não se deixarem rotular. Um ser humano não é um rótulo!

A marca é capaz de anular o ser, pois a marca se torna o registro e a coisa mais importante daquele ser se não se tomar o cuidado de não se ficar marcado o resto da vida por ela.

A marca de um olho a vigiar e controlar cada indivíduo, é vista em todos os lugares por olhos que veem e não o enxerga. Estamos nus diante do olho da tecnologia!

Anderson Luiz

Obrigado pela opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s